Doce Paixão na Mídia

Juruaia

Daniel Marques é diretor de uma das primeiras empresas a aderirem ao e-commerce em 2010. Vindo de uma família de empreendedores, ele e a esposa Letícia abriram seu próprio negócio há 15 anos e há 13 participam da Felinju. Para ele, ao longo dos anos o faturamento online já era maior do que o presencial e esta edição da Feira 100% online é o reflexo disso.
“Não foi a Felinju Online que possibilitou a nossa entrada no e-commerce. Foi a nossa união virtual que possibilitou a Felinju Online neste ano. Não tem melhor lugar hoje para fazer negócios do que na internet”, afirma.
Ainda de acordo com ele, sem a Felinju e sem atitude empreendedora, o prejuízo de sua marca estava calculado em 80%, mas com a união destes dois fatores, a expectativa é de um crescimento de vendas de 20 a 30% em meio a pandemia.
“Eu gosto de inovar. Eu sempre vejo esse ambiente de negócio, de marca, com um olhar clínico. Se neste momento nós estamos voltados para o e-commerce, eu já quero estar pensando em novas possibilidades. Essa é uma característica do meu negócio”, conta Daniel.

Font: G1 - Globo


Juruaia

Máscaras e solidariedade
Logo no início da chegada da pandemia no Sul de Minas, as fábricas de Juruaia começaram a se movimentar. Após ficarem algum tempo fechadas, as confecções voltaram a funcionar e muitas delas começaram a produzir máscaras para doações. A Letícia optou por doar as máscaras produzidas com TNT para o asilo da de Juruaia e também para seus clientes.
Foram mais de 2 mil máscaras doadas até o momento.

Font: G1 - Globo

Juruaia Exemplares foram desenvolvidos com recortes de tecido dupla face e contam com versão “mamãe e filhinha” com motivo pet, além de estampas xadrex, fluorescente e rendado A Doce Paixão, uma das principais confecções de moda íntima, praia e fitness de Juruaia, em Minas Gerais, cidade conhecida como a capital da lingerie, transformou um dos itens de segurança mais importantes da atualidade em uma peça fashion.
A ideia é unir segurança a moda de forma divertida e leve. O produto, que é direcionado a todas as idades, conta com a versão “mamãe e filhinha” com motivo pet, além de estampas xadrex, fluorescente e rendado.
Para ter acesso às máscaras fashion, basta adquirir R$100,00 em produtos nos canais de venda online da Doce Paixão para ganhar um exemplar de brinde. Inicialmente foram produzidas mil unidades em várias opções de estampas dupla face e todos os modelos têm a proposta de que a pessoa proteja a si e ao próximo. Para mais detalhes, acesse: https://lojavirtual.docepaixaolingerie.com.br/. “Trata-se de uma ação para impulsionar as vendas e, ao mesmo tempo, contribuir para que nossos clientes usem esse importante item de segurança de uma forma mais leve e como um item de moda. A expectativa é impulsionar em até 30% as vendas no período de isolamento social”, declara Letícia Marques, diretora de produto e sócio fundadora da Doce Paixão.
Sobre a Doce Paixão
Há 15 anos nascia a Doce Paixão, uma das principais confecções de moda íntima, praia e fitness de Juruaia, em Minas Gerais, cidade conhecida como a capital da lingerie. Idealizada pelo casal Letícia Marques e Daniel José Marques, a empresa, que começou em um espaço de 40 metros quadrados, hoje conta com duas unidades da marca, além de um projeto piloto de lojas licenciadas. Também estão partindo para expandir sua presença por intermédio de um centro de distribuição da marca em Santa Fé (PR). A Doce Paixão atende revendedoras, sacoleiras, lojistas e clientes finais de todo o país, além de Japão, Estados Unidos, Espanha, Paraguai e Itália, por meio de seus canais de venda, tanto presencial quanto online.


Juruaia

Há 15 anos no mercado, uma marca de lingerie de Juruaia viu nas máscaras de proteção contra o coronavírus uma possibilidade de manter o faturamento.
“Para garantir a manutenção financeira do negócio, criamos uma estratégia de fabricação de máscaras fashion. Os resultados, para nossa surpresa, foram muito acima do que havíamos de início imaginado, o que vem impulsionando as vendas em até 30%”, contou Daniel Marques, diretor da empresa.
As máscaras estilizadas tem sido uma forma mais atrativa de usar a máscara não só como forma de proteção, como também como artigo de moda, como explica Daniel. “Focamos em cores alegres e estampas divertidas para incentivar a todos o uso das máscaras em crianças e idosos, inclusive com a brincadeira da versão pet e também versão ‘mamãe filhinha’.”

Font: G1 - Globo